top of page

Você sabia que agora são 5 métricas DORA? Veja o que mudou!


Métricas DORA agora são 5
Revolução nas Métricas DORA: Descubra a Nova Métrica que Está Transformando a TI!

Nos últimos anos, as Métricas DORA (DevOps Research and Assessment) se consolidaram como o padrão de ouro para medir a performance e a eficácia das equipes de desenvolvimento e operações em organizações de TI.


Tradicionalmente, essas métricas incluíam quatro indicadores principais: Frequência de Deploy, Lead Time para Mudanças, Tempo de Recuperação e Taxa de Falhas. No entanto, uma nova métrica foi introduzida, elevando o total para cinco. Mas o que mudou? E por quê? Vamos explorar a nova métrica e entender sua importância e aplicação no dia a dia da TI e nas práticas DevOps e SRE.

 


O que são as Métricas DORA?

 

Antes de mergulharmos na novidade, vamos relembrar as quatro métricas originais:

 

Frequência de Deploy: Mede com que frequência as mudanças de código são implementadas em produção.


Lead Time para Mudanças: Tempo que leva desde o commit do código até sua implantação em produção.


Tempo de Recuperação: Tempo necessário para restaurar o serviço após uma falha.


Taxa de Falhas: Percentual de deploys que causam falhas em produção.


Essas métricas foram essenciais para ajudar as equipes a identificarem gargalos, melhorar a eficiência e aumentar a velocidade de entrega de software, sempre mantendo a qualidade e a estabilidade do sistema.

 


A Nova Métrica: Confiabilidade do Serviço

A quinta métrica, Confiabilidade do Serviço, foi adicionada para abordar uma dimensão crítica que as métricas anteriores não cobriam completamente. Confiabilidade do Serviço mede a capacidade do sistema de funcionar de forma consistente e previsível, sem interrupções inesperadas ou degradações de performance.

 


Por que a Mudança?

A inclusão da Confiabilidade do Serviço reflete uma compreensão mais profunda de que não basta apenas entregar rapidamente e restaurar rapidamente após falhas. É crucial garantir que o serviço funcione conforme o esperado de forma contínua e estável. A pressão para aumentar a velocidade de entrega de software frequentemente leva a comprometer a confiabilidade, e essa nova métrica visa equilibrar esses dois aspectos.

 


Importância e Aplicações das Métricas DORA

As métricas DORA são fundamentais para qualquer organização que busca implementar ou otimizar práticas DevOps e SRE (Site Reliability Engineering). Elas fornecem uma visão clara e quantitativa da performance das equipes, permitindo identificar áreas de melhoria e medir o impacto das mudanças ao longo do tempo.

 

Frequência de Deploy e Lead Time para Mudanças: Aumentar a frequência de deploys e reduzir o lead time são objetivos essenciais para manter a agilidade e capacidade de resposta às necessidades do negócio.


Tempo de Recuperação e Taxa de Falhas: Reduzir o tempo de recuperação e a taxa de falhas é vital para manter a confiança dos clientes e minimizar o impacto das interrupções.


Confiabilidade do Serviço: Garantir a confiabilidade do serviço é essencial para a satisfação do cliente e para a reputação da organização. Sistemas confiáveis também permitem que as equipes se concentrem em inovações, em vez de apagar incêndios constantemente.

 


Aplicação no Dia a Dia da TI

 

Para implementar e utilizar essas métricas de maneira eficaz, as equipes devem:

 

Monitorar e Medir Continuamente: Utilizar ferramentas de monitoramento para coletar dados em tempo real sobre as cinco métricas.


Analisar e Interpretar Dados: Realizar análises regulares para identificar tendências, padrões e áreas de melhoria.


Ajustar Processos e Práticas: Implementar mudanças baseadas nos insights obtidos, sempre buscando um equilíbrio entre velocidade e confiabilidade.


Fomentar uma Cultura de Melhoria Contínua: Promover uma cultura onde a aprendizagem e a melhoria contínua são incentivadas e recompensadas.

 


Casos de Uso e Exemplos de Aplicação Prática

 

Vamos agora explorar alguns casos de uso práticos para entender melhor como essas métricas podem ser aplicadas no dia a dia da TI.

 

Caso de Uso 1: Aumentando a Frequência de Deploy

Uma startup de tecnologia quer melhorar a velocidade de entrega de novas funcionalidades para os clientes. Eles monitoram a métrica de Frequência de Deploy e descobrem que seus deploys são realizadas apenas uma vez por semana. Ao analisar o processo, identificam etapas manuais que podem ser automatizadas.

 

Ação: Automatizam os testes e a integração contínua, permitindo deploys diários.

 

Resultado: A Frequência de Deploy aumenta de uma vez por semana para cinco vezes por semana, permitindo que os clientes recebam novas funcionalidades e correções de bugs mais rapidamente.

 

Caso de Uso 2: Reduzindo o Lead Time para Mudanças

Uma grande empresa de e-commerce enfrenta atrasos na entrega de novas funcionalidades. Ao medir o Lead Time para Mudanças, percebem que o tempo desde o commit do código até a produção é de duas semanas. Identificam que o processo de revisão de código e testes manuais está causando os atrasos.

 

Ação: Implementam uma pipeline de integração contínua com testes automatizados e um processo de revisão de código mais ágil.

 

Resultado: O Lead Time para Mudanças é reduzido de duas semanas para três dias, acelerando a entrega de valor aos clientes.

 

Caso de Uso 3: Melhorando o Tempo de Recuperação

Um serviço de streaming de vídeo sofre frequentes interrupções, afetando a experiência do usuário. Ao medir o Tempo de Recuperação, descobrem que leva em média uma hora para restaurar o serviço após uma falha.

 

Ação: Implementam uma estratégia de monitoramento proativo e treinam a equipe em práticas de resposta a incidentes.

 

Resultado: O Tempo de Recuperação é reduzido de uma hora para 15 minutos, minimizando o impacto das interrupções no serviço, além de possibilitar a prevenção e mitigação de incidentes com a abordagem de monitoramento proativo.

 

Caso de Uso 4: Reduzindo a Taxa de Falhas

Uma empresa de fintech tem uma alta Taxa de Falhas em seus deploys, resultando em instabilidade do sistema. Ao analisar os dados, percebem que os testes são insuficientes e muitas mudanças não são revisadas adequadamente.

 

Ação: Adotam uma abordagem de testes mais robusta e melhoram o processo de revisão de código.

 

Resultado: A Taxa de Falhas é reduzida de 10% para 2%, aumentando a disponibilidade e a confiança no sistema.

 

Caso de Uso 5: Garantindo a Confiabilidade do Serviço

Uma plataforma de comércio eletrônico quer garantir que seu serviço permaneça confiável durante picos de demanda, como durante promoções especiais. Eles começam a monitorar a Confiabilidade do Serviço e identificam que o sistema apresenta degradação de performance sob alta carga.

 

Ação: Escalam a infraestrutura de forma proativa e implementam técnicas de mitigação, como balanceamento de carga e caching.

 

Resultado: A Confiabilidade do Serviço é mantida mesmo durante picos de demanda, garantindo uma experiência positiva para os clientes.

 

A introdução da quinta métrica nas Métricas DORA representa um passo importante na evolução das práticas DevOps e SRE. Confiabilidade do Serviço complementa as métricas existentes, proporcionando uma visão mais holística e equilibrada do desempenho das equipes de TI. Ao adotar e integrar essa nova métrica, as organizações podem não apenas acelerar a entrega de software, mas também garantir que os serviços oferecidos sejam consistentes, confiáveis e de alta qualidade.

 

Esteja à frente da curva e comece a medir a Confiabilidade do Serviço em sua organização hoje mesmo! As Métricas DORA agora são cinco – e a mudança promete transformar a forma como a TI opera e entrega valor.

Comments


bottom of page